Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dados Lançados

"I'm not a perfect person. There's many things i wish i didn't do but i continue learning"

Dados Lançados

"I'm not a perfect person. There's many things i wish i didn't do but i continue learning"

Compraaas!

Sim, é verdade! Como qualquer outra rapariga, adoro ir as compras! Se pudesse, ia pelo menos uma vez por mês ver as novidades.

 

Contudo, (não que sejam precisos pretextos para irmos as compras) com a ida aos Açores - em Novembro - estive a espreitar a pouca roupa de Inverno que tinha, e notei que era mesmo muito poooouca!

 

Então, ontem já combinei com o F.G.  e no inicio do mês que vem, vamos as compras!

 

Ainda não sei bem onde vamos (ate porque o orçamento é muito reduzido), mas seja onde for, tem que haver uma loja:

 

 

 

 

 

Confesso que não a conhecia a marca ate ver um corpete lindo numa revista! Fiquei tão apaixonada por ele que arrastei o F.G. para Leiria para o comprarmos. Mas, como qualquer peça bonita, esgota-se num abrir e fechar de olhos. E ate hoje o corpete continua a ser uma miragem...

 

 

De qualquer forma, gostei das peças da loja e agora é um requisito obrigatório para qualquer ida as compras que faça!

 

 

Ainda não vi a colecção de Inverno, mas gosto de acreditar que vou encontrar la algo que me deixe apaixonada.

 

 

Imagem retirada daqui

 

Este tempo...!

 

 

 

Sempre fui uma apaixonada assumida pelo Verão e tudo o que vem com ele.

 

Adoro o sol, o calor, a praia, as ferias, os biquínis e as tardes sem fazer nada numa esplanada.

 

 

Gosto, sempre gostei e isso não há-de mudar nunca!

 

 

 

Contudo, ter tudo isso em Outubro já é um pouco estranho, não? Ate para mim...

 

Felizmente tudo começa a retornar á sua origem. As temperaturas estão a baixar, já começa a escurecer mais cedo e o frio durante a noite já se faz sentir.

 

 

Com tudo isto, teria que vir, inevitavelmente, as constipações.

De tudo o que o Outono / Inverno trás, o que menos me agrada é mesmo estas constipações que duram dias e dias.

Sou uma flor de estufa, que se há-de fazer?

 

 

Imagens retiradas daqui

Eu quero, eu quero!!

 

 

 

 

Já não sei onde vi este "porquinho" pela primeira vez. Contudo a reacção é sempre a mesma: Tão cutchi! Eu quero!

 

Infelizmente para a minha mãe, ela estava comigo quando vi estas imagens e eu disse-lhe logo que era aquilo que queria para o natal.

 

Eu: Mae, ja sei o que quero que me ofereçam pelo Natal!

Mãe: Já? Então e o que é?

Eu: (a apontar para o monitor do meu computador de secretaria) Aquilo!

Mãe: E onde é que isso se compra?

Eu: Não faço ideia...mas eu quero!

 

 

É obvio que não estou a espera que ela me tenha levado a serio e que me vá mesmo oferecer...

...mas se alguem encontrar e quiser enviar-me como oferta, eu ficaria eternamente grata!

 

 

É mesmo cutchi! {#emotions_dlg.inlove}

 

 

 

Imagens retiradas daqui

Então e agora...?

 

Tudo ficou sempre muito bem esclarecido quando as coisas entre mim e o F.G. não resultaram.

 

Eu gostava muito dele e ele de mim, e disso ao tenho duvidas, mas éramos muito novos e inexperientes. Os nossos objectivos de vida eram bastante diferentes e não éramos muito compatíveis.

Em suma, o namoro não era viável!

 

Talvez das decisões mais inteligentes que tomamos na altura foi acabarmos antes que nos pudéssemos magoar.

 

Deixamos de ser namorados mas não deixamos de ser amigos. Continuávamos a sair juntos, a trocar mensagens, a trocar confissões, etc. Em menos de nada, éramos os melhores amigos.

Eu sabia que podia confiar nele e contar-lhe os meus problemas e os segredos que não contava a mais ninguém. E ele sabia que podia fazer o mesmo comigo.

 

Aos poucos construímos a relação de cumplicidade que não conseguimos ter enquanto namorávamos.

Como? Simples! Não havia cobranças, nem controlo, nem perguntas...

Estavamos juntos quando queríamos, falávamos quando queríamos, saiamos quando queríamos.

 

Sem querer (ou não) acabamos por criar uma amizade colorida que muitos na compreendem.

 

E até a bem pouco tempo tudo corria sobre rodas. Até ele ir para a Suíça.

Teve lá uma semana e meia, que para mim foi uma eternidade.

Senti imensas saudades dele e nem queria acreditar que ainda faltava tanto tempo para ele regressar...

...mas regressou.

No sábado lá estava eu na casa dele a enche-lo de beijinhos e abraços e a confessar-lhe as saudades que tinha tido dele.

 

 

Ontem, tivemos o baptizado o filhote de uma amiga nossa e lá fomos nos, juntos para a igreja e depois para o restaurante.

Tudo corria bem. Nada de anormal.

Até que uma amiga dele aproxima-se e começa a dar-lhe beijinhos, encosta-se a ele a pôr as pernas por cima das dele, etc...

 

 

Ok, eu sei que ele é livre e que apesar de ele ter o que tem comigo, não há nenhum compromisso assumido e oficializado...mas aquilo mexeu comigo!

 

Já o vi com varias amigas e sei que ele é bastante sociável (e sempre foi...mesmo quando namorávamos) mas com aquela em particular, não sei...

 

O que é certo é que ao voltarmos para casa ele era todo mimos para mim. O que me leva a crer que não há razão para ficar irritada. Contudo desde ontem que não consigo tirar aquela imagem da cabeça...e quanto mais penso mais tenho a certeza que o que me deixou assim irritada foram os ciúmes...

E, logo eu, que a tanto tempo que não sentia ciúmes de ninguém.

Já nem sei lidar com esta sensação.

 

 

O problema é: Ciúmes? Significa o quê? Que ainda gosto dele? Se sim, então e agora?

 

Nem sei se o melhor é confessar-lhe e (caso seja correspondida)  arriscar numa relação, que anteriormente já fracassou. Ou deixar andar e ver no que dá...

 

Verdade seja dita, a uns meses quando um amigo meu confessou que gostava de mim, o F.G. sentiu-se “ameaçado” e disse-me que se conseguisse dar-me a estabilidade que ele acha que eu mereço, retomava o namoro comigo...

Contudo, o risco iminente de ele ir para a Suíça de vez também não vem facilitar as coisas...

 

 

A única coisa que eu sei é que esta cabeça e este coração estão em conflito e eu não sei como apaziguar as coisas...

 

 

 

Imagem retirada daqui

Fazes-me falta

Só damos por falta das coisas quando as perdemos, não é? Nunca concordei tanto com isso!

 

 

Lembro-me perfeitamente que quando o amigo de infância do T.N. foi para o Canadá, eu disse ao T.N. que não podia deixar-se ir abaixo e que com o tempo ele ia adaptar-se a ausência...e que apesar de tudo estamos na era das novas tecnologias e isso permitia interagir com o amigo com muito mais facilidade.

 

...na semana passada foi o F.G. que foi para a Suiça e o primeiro pensamento que tive foi: Que tretas andaste a dizer ao T.N.?

 

 

Fazes-me muita falta aqui! E o tempo não disfarça nada nem as tecnologias fazem as saudades diminuírem!

 

 

 

Apesar de saber que, para já, não é definitivo não consigo habituar-me a ideia de te ter longe.

 

Es o meu menino, o meu porto de abrigo, o meu confidente...e tenho muitas saudades tuas!

 

 

Volta depressa *